Referências bibliográficas

Separamos uma vasta bibliografia dos principais pensadores e suas principais obras que contribuem para o modo nômade de viver, para a filosofia da diferença e, em consequência, para a própria Esquizoanálise. A indicação bibliográfica serve para quem quiser começar a se aprofundar, levar a sério a necessária e urgente desconstrução de si. Necessária porque, sem essa desconstrução, nós não conquistamos uma relação com o imediato do real, não seremos capazes de produzir as nossas próprias condições de existência e fazer da nossa vida a vida de um grande vivente; e urgente porque a vida é agora. A vida se passa no presente. São indicações fundamentais de obras de Spinoza, Nietzsche, Bergson, Deleuze e Guattari, o suficiente para começar já um belo mergulho.

 

Obras que se referem diretamente a criação da Esquizoanálise ambas de Gilles Deleuze e Félix Guattari

– O Anti-Édipo

– Mil platôs (em 5 volumes)

 

Também de Deleuze e Guattari

– Kafka: Por uma literatura menor

– O que é Filosofia?

 

– Diálogos  – (Deleuze e Claire Parmet)

– Conversações  (Gilles Deleuze)

 

Friedrich Nietshe

– Assim falou Zaratustra

– Genealogia da moral

 

Espinosa

– A ética

– Tratado da reforma do intelecto

 

Henri Bergson

– Matéria e memória

– A evolução criadora

 

Felix Guattari

– A revolução molecular

– Caosmose

– As três ecologias

– O inconsciente maquínico

 

Kant

– Crítica da razão pura

– Crítica da razão prática

– Crítica do juízo

 

E claro, o livro do Luiz Fuganti

-Saúde, desejo e pensamento

Que é uma excelente introdução para ajudar a entender o pensamento nômade